Descubra como adaptar seu negócio para o comércio online

Vender pela internet parece ainda muito novo para você? Pois saiba que o comércio online tem se desenvolvido ano após ano. Segundo o último levantamento feito pela Ebit, o Webshoppers 39, as compras pela internet cresceram 12%, em 2018, com um faturamento que chegou a R$ 53,2 bilhões. 

Comprar online também é a preferência de 74% dos consumidores, segundo o NZN Intelligence. A comodidade, a agilidade e a facilidade em comparar produtos estão entre as razões para tal prioridade. Podemos, por exemplo, fazer aquisições por um smartphone em questão de segundos.

Bem, não é de hoje que se fala sobre a mudança no comportamento do consumidor. Esse fato tem contribuído para que muitos varejistas encontrem a solução ao integrar comércio online com o físico, com a finalidade de aproveitar os benefícios dessa nova forma de vender.

Acompanhe a leitura e saiba quais informações obter e adaptações fazer, a fim de ter sucesso na interação!

Seja omnichannel

Em tradução, omnichannel quer dizer “todos os canais”. Isso significa que todos os canais de vendas (loja física, loja online, redes sociais etc.) devem trabalhar de forma una. As informações referentes a todos os produtos da empresa e a todos os clientes devem estar centralizadas, para que todos os vendedores tenham acesso, sem muitos obstáculos.

Em uma loja omnichannel, o cliente pode comprar pela internet e realizar a troca no comércio físico. Se ele tiver um problema a ser resolvido, pode entrar em contato por meio de qualquer canal sem precisar repetir os mesmos dados diversas vezes.

Outro ponto importante é não haver concorrência entre as vendas online e offline. O foco deve ser no lucro para a empresa como um todo, e não para apenas um ambiente.

Entenda o funcionamento do comércio online

Mais um passo é pesquisar e estudar como funcionam os e-commerces. Existem alguns investimentos iniciais necessários para as vendas se concretizarem. 

Ter uma boa plataforma é um deles, pois é por meio dela que o lojista insere os produtos, as fotos e as informações relativas. É ela, também, que facilita ao usuário realizar todos os processos, como adicionar o item ao carrinho de compras e fazer o pagamento.

Além disso, é importante pesquisar sobre estratégias de SEO, a fim de conseguir um bom posicionamento nas buscas e no tráfego no site. Para isso, é válido contar, entre outros, com palavras-chave, uma boa hierarquia das informações dispostas e navegabilidade eficiente no site.

Tenha um ERP integrado

Um ERP (Enterprise Resource Planning) é um software que permite melhor gerenciamento da empresa. Ele automatiza processos e reúne todas as informações, centralizando-as, a fim de facilitar seu acesso, por todos os setores. Outra função é permitir que todos os canais e sistemas estejam integrados, sendo fundamental para quem precisa administrar um comércio online e uma loja física ao mesmo tempo.

Entre algumas vantagens, temos:

  • diminuição de falhas;
  • redução do tempo para atividades operacionais;
  • agilidade no fechamento de pedidos;
  • automação de marketing;
  • controle financeiro mais apurado em todas as lojas.

Atualize o estoque em tempo real

O ideal é que, além de os dados dos estoques serem centralizados, sejam atualizados em tempo real. Isso facilita o controle para o lojista, que consegue determinar o momento certo de fazer mais pedidos aos fornecedores. Ademais, colabora para a boa experiência de compra do consumidor. 

Imagine que, por exemplo, determinado usuário online solicite o último item existente de um produto. Minutos depois, um cliente na loja física compra essa mesma mercadoria. A consequência seria a frustração para o primeiro consumidor e uma situação embaraçosa para o lojista, que teria que encontrar maneiras de contornar a situação.

Organize a logística

A logística tem a ver com todos os processos necessários para a loja funcionar. Além de ser importante centralizar os dados do estoque, como foi mencionado, é preciso pensar no seu local de armazenagem. 

E-commerces grandes costumam investir em vários armazéns espalhados em cantos estratégicos, o que facilita as entregas em todo o país. Contudo, isso não é uma regra e é possível fazer remessas nacionais, mesmo com um depósito único.

Também é necessário contar com bons fornecedores, já que, a partir do momento em que uma empresa abre a possibilidade de vendas para todo o país, a quantidade de pedidos costuma aumentar, o que nos obriga a ter uma quantidade razoável de produtos armazenados. Ao termos fornecedores de confiança, conseguimos mercadorias de qualidade e com um valor adequado.

Outros pontos têm relação com a embalagem para o envio e a organização com relação a trocas e à logística reversa, visto que a legislação para compras pela internet permite ao consumidor esse direito.

Gerencie a entrega

No gerenciamento das entregas, é preciso decidir se elas serão realizadas pelos Correios ou pelas transportadoras. Ambos têm suas particularidades, que levam a vantagens e desvantagens. Alguns comerciantes preferem investir nas duas possibilidades, deixando-as como opção para o comprador escolher no momento do pedido.

Frete e prazo de entrega são dois elementos decisivos aos consumidores online, devendo fazer parte dessa avaliação também. É comum que eles deixem a aquisição de lado, por considerarem o valor alto. Nesse caso, duas saídas são fazer acordos com transportadoras, para conseguir um preço menor que nos Correios, ou possibilitar a retirada na loja, sem custo adicional, seguindo a filosofia omnichannel.

Ainda nesse aspecto, é recomendável viabilizar o rastreamento das entregas, a fim de que os clientes consigam acompanhar o trajeto das encomendas.

Direcione o marketing

Quando atuamos na internet, precisamos adaptar o marketing, de modo a alcançarmos novos consumidores, de qualquer parte do país. Além das estratégias de SEO, que foram citadas algumas linhas acima, é recomendável o investimento em anúncios pagos.

Eles podem ser usados no Google ou em redes sociais. No Google, fazemos a “aquisição” de palavras-chave estratégicas, referentes ao nosso nicho ou aos produtos comercializados. Assim, cada vez que um usuário realizar a busca por ela, o site aparecerá em primeiro lugar nos resultados da SERP.

Já nas redes sociais, é possível segmentar propagandas no Facebook ou no Instagram, a fim de atrair consumidores com o perfil do público-alvo, gerando mais tráfego ao e-commerce.

Enfim, o comércio online é um investimento confiável, para quem deseja se manter ativo nas vendas nos próximos anos. Basta fazer o planejamento adequado e ter atenção aos processos necessários para uma integração eficiente.

Seguindo esse raciocínio de investir em procedimentos apropriados para integrar comércio online e offline, veja, no próximo artigo, o que considerar ao escolher uma plataforma de e-commerce!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.